LINHA EDITORIAL | EDIÇÕES ANTERIORES | EXPEDIENTE | NORMAS DE PUBLICAÇÃO | CONTATO 

 HISTÓRIA | SÉRIE ANTIGA

 
 
VOLUME 3, NÚMERO 1 - AGOSTO DE 2017
 
 

DOWNLOAD DA
EDIÇÃO COMPLETA


REVISTA HÉLADE
ISSN: 1518-2541
ANO 3, VOLUME 3, NÚMERO 1
AGOSTO DE 2017.

 

A responsabilidade pelas opiniões emitidas, pelas informações e ideias divulgadas são exclusivas dos próprios autores.

 

EDITORES
Alexandre Santos de Moraes
Adriene Baron Tacla
Alexandre Carneiro C. Lima

ASSISTENTES DE EDIÇÃO
 Thaís Rodrigues dos Santos
Geovani dos Santos Canuto

CONSELHO EDITORIAL
Ana Livia Bomfim Vieira
Ana Teresa Marques Gonçalves
Claudia Beltrão da Rosa
Fábio Faversani
Fábio de Souza Lessa
 Gilvan Ventura da Silva
 José Antônio Dabdab Trabulsi
Maria Beatriz Borba Florenzano
Monica Selvatici
Pedro Paulo de Abreu Funari

CONSELHO CONSULTIVO
Álvaro Alfredo Bragança Júnior
Alvaro Hashizume Allegrette
Antonio Brancaglion Júnior
Andrés Zarankin
Barry Cunliffe
Elaine Hirata
Elif Keser Kayaalp
Fábio Duarte Joly
João Lupi
Luciane Munhoz de Omena
Lynette G. Mitchell
Márcia Severina Vasques
Maria Aparecida de Oliveira Silva
Margarida Maria de Carvalho
Maria Cristina N. Kormikiari Passos
Maria de Fátima Sousa e Silva
Maria Isabel d’Agostino Fleming
Philipp W. Stockhammer
Renata Senna Garraffoni
Violaine Sebillotte Cuchet
Wolfgang Meid

EDITORIAL

Golpes de Estado: a perspectiva da História e a História em perspectiva
Prof. Dr. Alexandre Santos de Moraes
 
DOSSIÊ - GOLPES E FORMAS DE RESISTÈNCIA NA ANTIGUIDADE
A ordem astral: a ação do Princeps Otávio Augusto pela legitimidade do seu poder
Profa. Dra. Ana Teresa Marques Gonçalves
Prof. Doutorando Rodrigo Santos M. Oliveira

Resumo: Voltamos o nosso olhar para as relações políticas durante o Principado romano em uma tentativa de compreender nossas experiências do presente. Assim agindo, percebemos que líderes romanos já articulavam suas ideias perante um vasto e heterogêneo público. Sendo assim, propagar uma boa imagem não seria uma necessidade apenas para o princeps (ou atual): Senado, povo de Roma e províncias precisavam adotar certas posturas a fim de obterem, também, benefícios. Um jogo de poder era estabelecido, e para entendê-lo, destacamos o governo de Otávio Augusto. Analisamos tal período, pois representa uma ruptura entre dois momentos da História romana (República e Principado), ao mesmo tempo em que este líder promoveu, ao considerarmos suas posturas e discursos, uma continuidade de elementos tradicionais republicanos. Ou seja, o discurso aludia à sua prática, e convencia os demais de sua legitimidade. Em busca de ordenamento, Marco Manílio, autor de Astronomicas, acabou por nos proporcionar novas ferramentas para a realização desta análise; até os astros explicam os poderes atribuídos à Otávio, ao Senado e ao povo romano.
Palavras-chave: Propaganda; Poder; Astrologia; Otávio Augusto.

Abstract: We look back for political relationships during Roman Empire, searching for understand ours presents experiences. Taking this action, we realize that roman leaders already articulated theirs ideas in face of a big and heterogeneous crowd. In that way, propagate a good image was not a necessity only for the princeps (or actual): Senate, people of Rome and provinces needed to adopt specific postures to get, also, benefits. Games of power were established and for understand theses, we analyze Octavius Augustus government. We analyze this period, because represents a rupture between two moments of Roman History (Republic and Empire), at the same time that this leader realize, when we consider his postures and speeches, a continuity of traditional republican elements. In other words, his speech was produced to confirm his actions, and to convince everyone of his legitimacy. Searching for order, Marcus Manilius, Astronomicas’ author, provided new tools for this work; even the stars explains the different powers of Octavius, Senate and roman people.
Keywords: Propaganda; Power; Astrology; Octavius Augustus.

As dificuldades de Atenas para o retorno à democracia depois do Golpe dos Quatrocentos
Profa. Dra. Lorena Lopes da Costa

Resumo: O presente artigo tem como objeto a peça Filoctetes de Sófocles, integrante da trilogia que vence as Grandes Dionísias em 409 a. C, ano em que se dá o primeiro festival depois da retomada do poder pelo povo após o Golpe dos Quatrocentos. Na peça de Sófocles, Filoctetes continua a ser o herói solitário. Ele é, porém, ao mesmo tempo, o herói que deve ser reintegrado à pólis. Ao lado dele, Neoptólemo, personagem que modifica consideravelmente o mito em Sófocles, transforma-se, à medida que a história se desenvolve, no novo guerreiro aqueu, o qual aprende a reconhecer o valor da philía e o valor da unidade, mas que não o faz sem convidar os atenienses espectadores a refletirem sobre os juramentos cívicos e sobre a unidade que tais ritos buscavam consumar.
Palavras-chave: Filoctetes; Herói; Pólis; Democracia.
 

Abstract: This paper analyzes Philoctetes by Sophocles, performed at the Festival of Dionysus, where it won first prize in 409 BC, year in which the first festival takes place after the resumption of the power by people after the Athenian Coup of the Four Hundred. In that play, Philoctetes remains the lonely hero. He is, however, at the same time, the hero who must become assimilated again into the polis. Beside him, Neoptolemus, a character who considerably modifies the myth, becomes as history unfolds the new Achaean warrior who learns to recognize the value of philia and the value of unity, but does not do so without inviting the Athenian spectators to reflect on the civic oaths and on the unity that these rites sought to fulfill.
Keywords: Philoctetes; Hero; Polis; Democracy

Notas sobre a apatia política do povo ateniense durante o golpe oligárquico que derrubou a democracia ateniense em 411/410 a.C.
Prof. Doutorando Félix Jácome Neto

Resumo: Este artigo discute a falta de ação coletiva do povo ateniense (δῆμος) para defender a sua democracia durante os eventos que levaram ao golpe oligárquico de 411 / 410 a.C. No livro oitavo da sua História da Guerra do Peloponeso, Tucídides afirma que o povo ateniense não protestou coletivamente contra o oligarcas quando a Assembleia decretou a sua própria dissolução depois de ter mudado a constituição política da democracia para um governo de Quatrocentos membros. A violência política que Tucídides atribui aos oligarcas é vista pela historiografia hegemônica sobre o tema como a razão principal que explica a apatia do povo ateniense quando ocorreu o golpe. Uma outra interpretação desses acontecimentos, contudo, acusa o δῆμος de ter sido cúmplice dos oligarcas em relação à mudança da constituição. O povo ateniense, neste caso, seria pouco fiel à democracia e colocaria o dinheiro persa por cima da democracia. Este artigo debate estas interpretações e reforça a necessidade de uma abordagem sociológica para este problema da ação coletiva do δῆμος. O artigo salienta, ainda, a necessidade de estudar uma ferramenta de propaganda da oligarquia: a ideia de que a única maneira de salvar Atenas seria mudar o regime político. Na verdade, o léxico da salvação da cidade aparece repetidamente nos discursos das personagens oligárquicas, sendo que esta propaganda sistemática também contribuiu para a desmobilização coletiva do povo ateniense durante os primeiros eventos do golpe oligárquico que derrubou, pela primeira vez, a democracia ateniense.
Palavras-chave: Democracia ateniense; Tucídides; Oligarquia.

Résumé: Cet article examine le manque d’action collective du peuple d’Athènes (δῆμος) pour défendre sa démocratie au cours des événements qui ont conduit au coup d’État oligarchique de 411/410 avant J. C. Dans le huitième livre de La guerre du Péloponnèse, Thucydide affirme que le δῆμος n’a pas protesté collectivement contre les oligarques lorsque l’Assemblée a décrété sa propre dissolution après avoir changé la constitution politique de la démocratie pour un gouvernement de Quatre cents membres. La violence politique qui Thucydide attribue aux oligarques est vu par l’historiographie hégémonique sur le sujet comme la raison principale qui explique l’apathie du peuple d’Athènes lors du coup d’État. Une autre interprétation de ces événements, cependant, accuse le δῆμος d’avoir été complice des oligarques par rapport au changement de la constitution. Le peuple athénien, dans ce cas, serait peu fidèle à la democratie et situerait l’argent Perse au-dessus de la démocratie. Cet article discute ces interprétations et renforce la nécessité d’une approche sociologique sur cette problématique de l’action collective du δῆμος. L’article souligne la nécessité d’étudier un outil de propagande de l’oligarchie: l’idée que la seule façon de sauver Athènes serait changer le régime politique. En fait, le lexique du salut de la cité apparaît à plusieurs reprises dans les discours des personnages oligarchiques et cette propagande systématique a également contribué à la démobilisation collective du peuple athénien pendant les premiers événements du coup d’État oligarchique qui a renversé pour la première fois la démocratie athénienne.
Mots-clés: Démocratie athénienne; Thucydide; Oligarchie.

Justiça, Hybris e Tirania em Atenas Arcaica e Clássica
Profa. Doutoranda Mariana Figueiredo Virgolino
Resumo: Segundo pensadores do século IV a.C, especialmente Platão e Aristóteles, a tirania seria a pior das formas de governo. Todavia, a bibliografia recente sobre as autocracias na Grécia tem entendido que as ligações entre os atenienses e a tirania eram ambíguas. Hybris, por sua vez, é uma noção que foi sofrendo alterações ao longo da história da Grécia Antiga. Se nos poemas homéricos e hesiódicos ela se caracterizava por uma conduta contrária à retidão (dike), uma arrogância marcada por um comportamento no nível do excesso, no período clássico essa palavra estava principalmente relacionada ao ataque à honra (timé) de um cidadão. Pretendemos neste artigo explorar as relações entre tirania e hybris na Atenas dos períodos arcaico (VII-VI séculos a.C) e clássico (V e IV séculos a.C) e compreender as associações entre os tiranos e um comportamento desmedido, hibrístico ao longo das épocas mencionadas.
Palavras-Chave: Tirania; Hybris; Atenas.
Abstract: As stated by 4th century BC thinkers, especially Plato and Aristotle, tyranny was the worst form of government. However, the recent scholarship about autocracies in Ancient Greece has understood that the nexus between Athenians and tyranny was ambiguous. Hybris, in its turn, is a notion that underwent alterations during Ancient Greece’s history. If in homeric and hesiodic poetry it was characterized as a behaviour contrary to righteousness (dike), a haughtiness marked by a demeanour at a level close to excess, during the Classical period the concept was mainly related to the attack against a citzen’s honour (timé). In this article we intend to explore the connections between tyranny and hybris at Athens throughout Archaic (7th and 6th centuries BC) and Classical (5th and 4th centuries BC) periods and understand the associations between tyrants and an undue, hybristic behavior during the mentioned time.
Keywords: Tyranny, Hybris, Athens
Aristides e as cidades: a atéleia e a evasão das liturgias na Ásia Menor, ca. 170 E.C.
Profa. Dra. Lolita Guimarães Guerra
Resumo: As formas de evasão das responsabilidades para com a coisa pública permitem, para alguns indivíduos com os recursos adequados, privilégios e isenções que os retiram do lugar ocupado pela multidão dos ‘comuns’, estes submetidos por igual a leis e com acesso ao mesmo corpo de direitos que os normaliza nas dinâmicas da vida cotidiana. Élio Aristides, baseado em Esmirna, foi indicado a diversas liturgias entre as décadas de 140 e 150 E.C., como mais tarde relatou nos Hieroì Lógoi. Por meio delas, a província e as cidades procuravam garantir a administração de diversos setores da vida social através de custosos encargos atribuídos a particulares. Como não fazia parte do grupo de profissionais isentos por lei, Aristides apelou a sua rede de influências pessoais, a qual incluía o imperador Marco Aurélio, e por meio dela teve a atéleia (imunidade) garantida. Discutiremos os recursos políticos assim utilizados por ele e os significados e efeitos de sua evasão.
Palavras-chave: Élio Aristides; liturgias; atéleia; redes de influência.
Abstract: The ways of evasion from responsibilities attached to public goods enable – to some resourceful individuals – privileges and exemptions that withdraw them from among the mass of ‘commons’, these equally submitted to the law and with access to the same corpus of rights that normalizes them in everyday life dynamics. Aelius Aristides, based in Smyrna, was nominated to several liturgies between the 140’s and the 150’s E.C., as he writes in the Hieroì Lógoi. Through them, the province and the cities sought to ensure the administration of many sectors of social life through costly offices assigned to particulars. Aristides was not eligible as a professional exempted by law, therefore he appealed to his personal network of influences, which included the emperor Marcus Aurelius, and through it guaranteed the ateleia (immunity). We intend to discuss the political resources used by him and the meanings and effects of his evasion.
Keywords: Aelius Aristides; liturgies; ateleia; influence networks.
Algumas considerações sobre o debate persa nas Histórias de Heródoto
Prof. Doutorando Luiz Maurício Bentim da Rocha Menezes
Resumo: Tomaremos como objetos de investigação de nosso trabalho o Debate Persa que se encontra nas Histórias de Heródoto. Tal debate suscita uma discussão sobre as formas de governo e qual seria a mais adequada para se viver. A finalidade de tal estudo é verificar a relação não só do governo, mas também da alma do governante, analisando as posições dos debatedores e suas intenções para o estabelecimento de um novo governo persa.
Palavras-Chave: Histórias de Heródoto; Debate Persa; Formas de Governo.
 
Abstract: In our work, we take as objects of investigation the Persian Debate lying in the Herodotus’ Histories. This debate raises a discussion about the forms of government and which would be the most adequate to live. The purpose of such study is to verify the relationship not only of the government but also of the soul of the ruler, analyzing the positions of the debaters and their intentions for the establishment of a new Persian government.
Keywords: Herodotus’ Histories; Persian Debate; Forms of Government.
Etéocles golpista? Uma comparação entre Os Sete Contra Tebas de Ésquilo e As Fenícias de Eurípides
Prof. Doutorando Waldir Moreira de Sousa Jr
Resumo: Neste artigo pretendo analisar se é cabível classificar a atuação do personagem Etéocles, tanto em As Fenícias de Eurípides como em Os Sete Contra Tebas de Ésquilo, de golpista. Para isso, traço uma comparação entre essas duas obras, investigando os principais elementos influenciadores da ação de Etéocles, seja as pertencentes ao enredo, seja as pertencentes ao seu passado e evocadas por outros personagens. Ésquilo e Eurípides, tragediógrafos de gerações diferentes, embora tracem um quadro político distinto acerca da sucessão do trono de Tebas, mantêm um quesito fundamental para entender a ruína desse personagem.
Palavras-chave: Ésquilo; Eurípides; As Fenícias; Os Sete Contra Tebas.
Abstract: In this essay I intend to analyse if it is appropriate to qualify Eteocles´ characterization in Aeschylus` Seven Against Thebes and in Euripides´ Phoenissae as a political rascal who performs a coup d´etat. I will contrast these two plays by investigating the main elements which influence Eteocles´ deeds, whether they are accomplished on stage, whether they are only evoked by any other character as belonging to the past. Aeschylus and Euripides, poets from different ages, altough they outline a different political frame about the succession to the throne in Thebes, they tend to one point when they draw Eteocles´ downfall.
Keywords: Aeschylus, Euripides, Phoenissae, Seven Against Thebes.
Análise do vocabulário da crise da República Romana em 44 a.C. a partir das Filípicas, de Cícero
Prof. Dr. Gilson Charles dos Santos
Resumo: Da análise feita no presente artigo sobre o vocabulário utilizado por Cícero nas Filípicas para caracterizar Marco Antônio e abordar a crise gerada após o assassinato de Júlio César, deduzem-se os elementos básicos do processo que poderíamos precariamente denominar “transição” da república romana para o principado. Em primeiro lugar, esse vocabulário deflagra a impossibilidade de diálogo entre os adversários – o que incidiria diretamente sobre a justificativa da luta armada –; em segundo, pressupõe o fracasso de condições particulares ao funcionamento das relações sociais dentro da comunidade. Assim, a defesa do tiranicídio e da violência bélica como reação adequada ao comportamento rebelde de Marco Antônio, ainda que pretendesse reparar os danos provocados pelas dissensões entre aristocratas romanos e pelas contendas civis, acabou servindo para a compreensão de como o poder se concentrou nas mãos de um só homem público.
Palavras-chave: Cícero; Filípicas; Júlio César; Guerra Civil; Retórica Antiga
Abstract:  In this article, I intended to deduce some basic elements of the process that I temporarily call “transition” from the Roman Republic to Principate by analysing the Ciceronian vocabulary in the Philippics that characterizes Mark Anthony and refers to the crisis derived from Julius Caesar’s murder. First, this vocabulary denounces the lack of dialogue between the opponents – what would serve as a basis for the argument of the urgency of civil war –; secondly, it assumes that specific conditions of social relations in the community failed. Therefore, when Cicero spoke up for the murder of the tyrant and advocated the military conflict as a reasonable reaction to Mark Anthony’s rebellious behaviour, his arguments, although destined to crush dissent among Roman aristocrats and overcome the civil wars, contributed to understand the concentration of power in the hands of one statesman.
Keywords: Cicero; Philippics; Julius Caesar; Civil War; Ancient Rhetoric
Patrios Politeia: entre golpes oligárquicos a ancestralidade da democracia se constrói
Prof. Dr. Luis Fernando Telles D’Ajello
Resumo: Este trabalho tem por objetivo a análise do processo histórico que leva ao desenvolvimento de uma consciência democrática em Atenas no final do século V a.C. Para isto observa o desenrolar de uma disputa política entre oligarcas e seus opositores, associado ao desejo do fim da guerra do Peloponeso que era almejado pela maioria dos atenienses, mas por motivos diversos. Durante este processo há uma disputa pela autoridade das propostas dos grupos concorrentes. Esse critério gira em torno da ancestralidade da constituição ateniense indicada por cada grupo. As argumentações que procuram justificar a ancestralidade de suas propostas levam a um entrelaçamento com o processo do desenvolvimento do conceito de democracia. Desta confluência surge o desenvolvimento de uma consciência democrática entre os opositores dos oligarcas extremistas, os demotikoi.
Palavras-chave: Democracia; Constituição Ancestral; Atenas Clássica; Oligarquia.
Abstract: This work aims to analyze the historical process that leads to the development of a democratic awareness in Athens at the end of the Fifth century b.C. In order to do that it observes the meanders of a political dispute between oligarchs and their opposition. This dispute is connected with a general desire to end the Peloponesian War, although each group for its own reasons. During this process there is a challenge of ancestry of the proposed, and purported, ancestral constitution of each group. The debate for the right to call their propositions as “the” ancestral constitution ends up entwining with the process of a development of the concept of democracy. From this convergence arose the development of a democratic awareness among the opposition of the oligarchs, the demotikoi.
Keywords: Democracy; Ancestral Constitution; Classical Athens; Oligarchy.

TEMA LIVRE
La Villa de los Papiros de Herculano en el siglo XXI: actualización científica y estado
de la cuestión (2000-2016)

Profa. Dra. María Paz López Martínez
Prof. Dr. Andrés Martín Sabater Beltrá

Resumen:  Nuestro propósito es valorar qué aporta al Humanismo el legado que, oculto durante veinte siglos, apareció en uno de los recintos arqueológicos más interesantes que se conocen en la actualidad, la Villa de los Papiros de Herculano, sepultada por la lava del Vesubio en el año 79 d.C. A partir de 1750, empezó a ser excavada, lo que permitió que se descubriera una lujosa mansión que, además de otras piezas de gran valor, contenía la única biblioteca que ha llegado hasta nosotros desde la Antigüedad. Estos fondos están constituidos por casi dos mil rollos de papiro escritos en griego y atribuidos a un autor oriundo de Siria llamado Filodemo de Gádara. Hace XXI siglos, congregó a los simpatizantes de una escuela cuyo objetivo fundamental era búsqueda de la felicidad. Estamos convencidos de que el mensaje de alegría de vivir, serenidad y tolerancia de Epicuro está más vivo que nunca. Nuestro fin es poner al alcance de un buen número de personas, no sólo de los interesados en el pensamiento, la literatura, la historia y la arqueología helenística e imperial, sino de cualquier persona culta con inquietudes humanísticas todo este rico y complejo legado.
Palabras clave: Herculano, Villa dei Papyri, Filodemo, actualización bibliográfica, siglo XXI.

Abstract: Our purpose is to assess the contribution to the Humanism of the legacy hidden for twenty centuries and appeared in one of the most interesting archaeological sites that we know now, the Villa dei Papiri at Herculaneum, buried by lava from Vesuvius in 79 AD. Since 1750, it began to be excavated and it has allowed us to discover a luxurious mansion, great value articles and the only library that has come down to us from Antiquity. This content is made up by almost two thousand rolls of papyrus written in Greek and attributed to an author born in Gadara –Syria- called Philodemus. Twenty centuries ago it brought together the followers of the school, whose main objective was the pursuit of happiness. We are convinced that the message of serenity, zest for life and tolerance of Epicurus is more alive than ever. Our aim is to make available to a great number of people, not just to those interested in Philosophy, Literature, History and Archeology of Hellenistic and Imperial Periods, but also any educated person with humanistic concerns this rich and complex legacy.
Keywords: Herculaneum, Villa dei Papyri, Philodemus, bibliography update, XXI Century.

Contra a morte definitiva: o Livro dos Mortos como um guia de memória no além
Profa. Ms. Keidy Narelly Costa Matias

Resumo: O presente texto traz uma discussão acerca do lugar da memória na sociedade egípcia a partir da análise de algumas passagens do Livro dos Mortos de Ani (c. 1275 a.C.); para além da memória dos vivos – necessária à perpetuidade do nome do morto – era necessário que o próprio morto, um Osíris, soubesse acerca dos caminhos os quais deveria seguir, de modo a capacitar-se no sentido de garantir a continuidade de sua existência no Além, vencendo a “segunda morte” (não existência) – aquela definitiva.
Palavras-chave: memória, negação da morte, Livro dos Mortos.

Abstract: This paper presents a discussion about the function of memory in Egyptian society based on the analysis of some passages from the Book of the Dead of Ani (c. 1275 b.C.); in addition to the memory of the living ones – needed for the perpetuity of the name of the deceased – it was necessary for the dead person himself, an Osiris, to know about the paths which should be followed in order to become able to ensure the continuity of his/her existence in the otherworld, defeating the “second death” (nonexistence) – the definitive one.
Keywords: memory, denial of death, Book of the Dead.



PRÓXIMO DOSSIÊ
Volume 3, Número 2
Etnicidade e as políticas das identidades nas sociedades antigas

Tão logo assumiu o governo, o presidente norte-americano Donald Trump anunciou que cumpriria uma insólita promessa de campanha: a construção de muro separando as fronteiras do México e dos Estados Unidos. O objetivo seria coibir o fluxo migratório. De acordo com o jornal inglês The Guardian, o diretor do American Civil Liberties Union’s immigrants’ rights Project, Omar Jadwat, comentou: “President Trump’s fantasy of sealing the border with a wall is driven by racial and ethnic bias that disgraces America’s proud tradition of protecting vulnerable migrants”.

A iniciativa de Trump, apoiada e aplaudida pelos setores mais conservadores, pode ser plenamente elencada na longa lista de conflitos étnicos do mundo contemporâneo. Através do conceito de etnicidade, diversos analistas investigaram os embates entre Sérvios, Croatas e Muçulmanos na Bósnia, Gregos e Turcos no Chipre, Católicos e Protestantes na Irlanda, Hindus e Muçulmanos na Índia, e tantos e tantos outros. As identidades étnicas passaram a ser amplamente examinadas a partir da segunda metade do século XX, em especial a partir da superação do viés essencialista que outrora tornava o conceito quase indiscernível da ideia de raça, e pelo reconhecimento de que se trata de um fenômeno político culturalmente referenciado.

A contribuição das pesquisas acerca das sociedades antigas para a consolidação do conceito foi bastante significativa. Há uma quantidade exaustiva de trabalhos que exploram a temática e que produziram inegável impacto no meio acadêmico. Caso tomemos a Grécia Antiga como exemplo, seria forçoso recordar a publicação de Inventing the Barbarian (1989), de Edith Hall, Ethnic identity in Greek Antiguity (1997) e Hellenicity (2002), de Jonathan M. Hall, Panhellenism and the Barbarian in Archaic and Classical Greece (2007), de Lynette Mitchell, The Returns of Odysseus (1998) e a coletânea Ancient Perceptions of Greek Ethnicity (2001), de Irad Malkin, além do recente Ethnicity in the Ancient Mediterranean (2014), organizado por Jeremy McInerney. Há uma miríade de outros trabalhos, mais recentes ou mais antigos, que abordam a temática e que a reconhecem como um campo de estudos amplo, diversificado e farto de possibilidades.

Com vistas a contribuir com esse debate, o próximo número (n. 2, v. 3) da Hélade publicará o dossiê Etnicidade e as políticas das identidades nas sociedades antigas.

Os interessados poderão enviar suas contribuições até o dia 01 de novembro de 2017 para o e-mail revistahelade@gmail.com.

 
 
 
   

NEREIDA - Núcleo de Estudos de Representações e de Imagens da Antiguidade
Campus do Gragoatá - Rua Prof. Marcos Waldemar de Freitas Reis, Bloco O, sala 507
24210-201 - Niterói - RJ
nereida@vm.uff.br